pra sempre no ar

Trajetoria da Manchete

1998: Brida é cancelada no meio e crise se instala na emissora

09/04/2005 por Diogo Montano
Logo do JM de 1998

No ano de 1998 a situação da emissora pioraria. A novela Mandacaru dava baixos lucros, e os programas jornalísticos estavam desgastados. Aliada a isso, a situação econômica do país não andava bem, e as taxas de juros estavam em alta, inclusive das dívidas da emissora.

A Manchete anunciava novidades já no mês de março. A primeira delas consistiu em uma grande reformulação dos noticiários da Rede. O "Jornal da Manchete" foi totalmente renovado e teria três edições ao longo do dia. A proposta era que o jornalismo voltasse a ser como na época da estréia da emissora. Assim, no dia 27 de março, o telejornal entrava em cena com cenário totalmente futurista, trazendo de volta a redação do jornal, atrás de um vidro que mostrava um enorme mapa-múndi.

Claudete Troiano assumiu o comando do vespertino "Mulher de Hoje", deixado por Beth Russo em dezembro de 97.

Salomão Shwartmman substituía o "Momento Econômico" pelo "Frente a Frente".

No início de março, estreava o programa de Magdalena Bonfigliolli. Intitulado "Magdalena Manchete Verdade", o programa mostrou bons resultados. Sua fórmula já era conhecida: nele, os convidados davam depoimento de seus problemas para a apresentadora, e a equipe do programa tentava resolvê-los. Caracterizou-se por ser um programa extremamente popular.

Aos domingos também houve uma grande novidade. Em parceria com a produtora independente TV Ômega, de propriedade de Amílcare Dalewwo, a Manchete substituia o mal-sucedido "Domingo Milionário" pelo "Domingo Total", comandado por Otávio Mesquita, Virgínia Novick e Sérgio Malandro. O programa teve ótimos índices de audiência, principalmente quando entrava no ar o quadro comandado por Otávio Mesquita, onde o apresentador acordava vários famosos. Sérgio Malandro também se destacou com à frente da "Festa do Malandro".

Mesmo com essas bem-sucedidas estréias, os juros das dívidas cresciam, o que sufocava a emissora.

Em junho do mesmo ano, o salário dos funcionários não foram pagos, o que era um péssimo sinal. As transmissões da Copa do Mundo de 98 não renderam os lucros esperados, e em agosto entrava no ar a novela Brida, baseada na obra sucesso de vendas de Paulo Coelho. A magia do autor parece não ter funcionado com a novela. A audiência ficou baixa, o que ocasionou uma troca de enredo na trama.

Mesmo com todo esforço, a novela fracassou. O atraso nos pagamentos causou uma greve pelo elenco da novela. Sem saída, a trama foi tirada do ar pelo meio. E o problema não era só esse.

Sem garantias numa emissora que já estava afundando, vários profissionais valorosos saíram da casa. De uma só vez, debandavam Márcia Peltier, Otávio Mesquita e Raul Gil, este último levando o seu programa de volta para a TV Record. Além disso, a emissora também extinguiu o "Domingo Total", o que provocou diretamente a saída de Sérgio Malandro e Virgínia Novick. As tardes de domingo contavam agora com uma seção tripla de filmes: o "Festival Manchete de Cinema". Aliado a isso, a produção dos jornalísticos parou, e os programas começavam a ser reprisados. O "Mexe Brasil", apresentado por Marcelo Augusto, também entrava no clima das reprises. O jeito foi exibir novamente o grande sucesso da emissora: Pantanal.

Pantanal entrava novamente no ar no dia 26 de Outubro de 1998, e o Jornal da Manchete fora reduzido para trinta minutos. Carlos Chagas vinha novamente como "tapa buraco" na programação, estreiando o programa Se Liga Brasil diariamente após a novela. Nessa época, um show de programas de Televendas invadia a tela da Manchete. O vespertino Mulher de Hoje foi extinto. Em dezembro do mesmo ano, o Jornal da Manchete saía do ar por motivo de greve geral.

Em Janeiro de 99, a emissora assinou umm contrato com o Grupo Renascer em Cristo, propriedade de Sônia Hernandez. Pelo acordo, a Igreja Renascer exploraria a emissora, produzindo programas e recebendo os patrocínios, e em troca pagaria por mês R$ 80 milhões ao Grupo Bloch, como uma espécie de "aluguel". A partir daí novas chamadas anunciando o que seria a "Nova Manchete" entravam no ar. A reexibição de "Pantanal" e o programa "Se Liga Brasil" continuavam na grade. Claudete Troiano trazia de volta o feminino "Mulher de Hoje". O "Jornal da Manchete" também voltava ao ar. Porém, o acordo não deu certo e foi desfeito em fevereiro do mesmo ano, porque a Igreja não pagou a primeira parcela dos salários.

A emissora adentrou o ano de 1999 ainda com mais um problema: o grupo IBF reivindicava há três anos na justiça a posse do canal. O Grupo Bloch teria que esperar a liminar dando-lhes a posse da emissora para vendê-la. A liminar saiu em abril do mesmo ano, e a emissora foi finalmente vendida no dia 16 de maio de 1999 para Amílcare Dalewwo, dono da TV Ômega, que era a produtora do "Domigo Total" exibido na Manchete em 1998.


 
espalhe:
comentários
Menu » Home | Vídeos | Artigos | Fotos | História
 
Serviços » Login | Cadastre-se | Incluir Vídeo | Escrever Artigo | Incluir Foto
 
Novelas Jornalismo Infantis Mais
Pantanal
Ana Raio & Zé Trovão
Kananga do Japão
Mandacaru
Dona Beija
Xica da Silva
Corpo Santo
Mais Novelas
 
Jornal da Manchete
Carnaval da Manchete
Documentários
Esportes
Clube da Criança
Séries Japonesas
Cometa Alegria
Mais Infantis
Humorísticos
Variedades
Entrevistas
O Site » Quem Somos | Fale Conosco
 
Este site não possui qualquer relação comercial com a extinta TV Manchete Ltda.
No ar desde set/1999. Idealizado, mantido e desenvolvido por Diogo Montano
title= title=