pra sempre no ar

Trajetoria da Manchete

1993: Adolpho Bloch recupera o controle da TV Manchete

09/04/2005 por Diogo Montano

Além do casal 20 do telejornalismo, a Manchete perderia em 1993 uma série de outras estrelas, dentre elas Otávio Mesquita e Angélica.  Além dos artistas e programas, a Manchete perderia ainda uma série de suas afiliadas em todo o país.

Em fevereiro, Jayme Monjardim volta a Manchete, e acaba com o Cinemania e o Documento Verdade, alegando que o público não estava mais interessado em programas pesados e extremamente realistas, mas sim em um conteúdo mais leve. Durante o restante do mês, greves se espalharam pelas emissoras do Rio e São Paulo, e muitos funcionários chegaram a ir as ruas pedir comida para os motoristas.

Funcionários pedem socorro no ar
Em março funcionários invadem os controles da emissra e colocam slides no ar denunciando a falta de salários que se arrastava desde dezembro. Pela primeira vez na história os funcionários tomavam o controle de uma rede de TV.  Durante a confusão, a emissora de São Paulo começou a gerar o sinal para toda a rede, mas novamente o sinal caiu e a TV ficou fora do ar por mais de 4 horas. A TV Globo entrou com uma câmera escondida e reegistrou tudo.

A dívida da Manchete com o Banco do Brasil somava 30 milhões de dólares e 160 milhões com a Previdência Social. Além disso, Hamilton Lucas de Oliveira vinha sendo investigado por favorecimento no esquema de propinas de PC Farias. As greves continuavam pelo país, e funcionários do Rio organizaram uma caravana para retirar a emissora de São Paulo do ar, mas sem sucesso. Carlos Chagas, diretor da Manchete em Brasília, adreiu a greve. Nesse momento, só a técnica funcionava, os departamentos de produção e jornalismo estavam de braços cruzados.

A tensão em torno da interrupção da emissora por parte dos funcinários do Rio fez com que São Paulo solicitasse as fitas do acervo da Manchete sob o pretexto de recatalogação das fitas. Além disso, conseguiram através de um colecionador as fitas em VHS de A História de Ana Raio e Zé Trovão, e depois de um tratamento nas imagens, recolocaram a novela no ar. Ao mesmo tempo, desesperadamente a direção da emissora negociava a aquisição de programas enlatados. Nesse momento, os funcionários de São Paulo também estavam em greve.

No dia 25 de março, Adolpho Bloch publciou uma carta à imprensa, contando sua trajetória, sobre sua "luta" em erguer a emissora de TV, os prêmios por ela recebidos, e das dificuldades políticas que o motivaram vender a emissora. Além disso, denunciou o descumprimento do acordo de venda por parte do Grupo IBF, e que por conta disso, tinha entrado com uma liminar na justiça. Pediu paciência a funcionários, telespectadores e mercado publicitário, e que a recuperação do controle da Manchete seria uma questão de tempo. Pediu também o apoio do presidente Itamar Franco.

Nilton Travesso rompe no final de março com a Manchete, depois de cinco anos produzindo programas para a emissora.

Anúncio da retomada da Manchete pelo Grupo Bloch
Em abril o presidente da República cancela a venda da Manchete e ordena a volta do controle da emissora a Adolpho Bloch. Nesse momento, o empresário declarou que Hamilton teria pago 10% do acordado e conseguiu uma liminar na justiça. O dono do grupo IBF entrou com um recurso, mas perdeu a causa. O grupo Bloch se comprometeu a pagar os salários atrasados em um mês.

Ao reassumir a emissora, o Grupo Bloch encontrou a situação ainda pior. Quando da passagem da emisora para as mãos do Grupo IBF, vários profissionais saíram da casa, como por exemplo, Otávio Mesquita e Angélica, e programas como o Documento Especial. A dificuldade em formar uma grade de programação era ainda maior. No mês de julho, grevistas tiraram novamente a Manchete do ar.

Marcia Peltier assume o JM
Os investimentos começaram com a contratação de Mylla Christie para o Clube da Criança, a estreia dos programas de videoclipes Raio Laser, o programa de debates Bate Boca com Solange Bastos, e a estréia de Marcia Peltier no comando do Jornal da Manchete Primeira Edição.

Fernando Barbosa Lima assume, neste mesmo ano, a diretoria-geral da emissora.

Novidades da programação de 1993
Escrita por Regina Braga, começou a produção da novela O Marajá baseada na vida do ex-presidente Fernando Collor de Mello. O clima era de espectativa e a grande repercussão insinuava um grande sucesso, mas uma liminar na justiça proibiu sua exibição, explodindo toda a situação em um grande escândalo, onde até o sumiço de fitas com capítulos gravados foi registrado. O jeito foi aproveitar os atores para um novo projeto: a novela Guerra sem Fim, baseada no tráfico de drogas do Rio, mas que não obteve grande sucesso de público.

Os anos conturbados de 1991 a 1993 contribuiriam para o crescimento do SBT. A TV de Silvio Santos aos poucos foi levando profissionais, programas a afiliadas da Manchete, e além disso, contratou uma série de funcionários da dramaturgia, contribuindo para o sucesso desse departamento na emissora paulistana. O SBT consolidou a vice-liderança nos anos seguintes.


 
espalhe:
comentários
Menu » Home | Vídeos | Artigos | Fotos | História
 
Serviços » Login | Cadastre-se | Incluir Vídeo | Escrever Artigo | Incluir Foto
 
Novelas Jornalismo Infantis Mais
Pantanal
Ana Raio & Zé Trovão
Kananga do Japão
Mandacaru
Dona Beija
Xica da Silva
Corpo Santo
Mais Novelas
 
Jornal da Manchete
Carnaval da Manchete
Documentários
Esportes
Clube da Criança
Séries Japonesas
Cometa Alegria
Mais Infantis
Humorísticos
Variedades
Entrevistas
O Site » Quem Somos | Fale Conosco
 
Este site não possui qualquer relação comercial com a extinta TV Manchete Ltda.
No ar desde set/1999. Idealizado, mantido e desenvolvido por Diogo Montano
title= title=