pra sempre no ar

Trajetoria da Manchete

A Trajetória Dramatúrgica da Manchete

11/04/2005 por Diogo Montano
O Canto das Sereias - 1991 A trajetóia da Rede Manchete foi marcada também pelos grandes sucessos que produziu na área da dramaturgia. Antes fora dos planos da emissora, as novelas tornaram-se logo uma das marcas registradas da Manchete. Entre as maiores, podemos citar Dona Beija, Kananga do Japão, Pantanal, A História de Ana Raio e Zé Trovão e Xica da Silva.

Mas o caminho da dramaturgia não foi marcado apenas de sucessos. A emissora começou a produção dramatúrgica em 1984, quando entrou no ar a minissérie A Marquesa de Santos, estrelada por Maitê Proença, que atingiu a bela marca dos 7 pontos percentuais de audiência. Mas em 1985 a rede continuou a investir com o lançamento da novela Antônio Maria e do seraido Tamanho Família, além das minisséries já existentes Santa Marta Fabril e Tudo em cima. Os problemas vieram rápido: a emissora não conseguiu ultrapassar a baixa média dos 5 pontos percentuais e as atrações foram retiradas do ar.

Depois desse fracasso, algo viria a impulsionar seus diretores a reinvestir: o gosto pela retratação Histórica. Foi aí que, em 1986, surgiu a idéia de Dona Beija, sua primeira novela de sucesso.

Em 1987 José Wilker assume a direção de dramaturgia, lançando a novela-reportagem Corpo Santo.

A partir daí foram ao ar várias de novelas, que, embora reconhecidas pela crtítica e com ótimos profissionais, não tiveram grande aceitação pelo público. Entre elas, podemos citar "Olho por Olho" e "Carmen". O sucesso de audiência só seria novamente alcançado em 1989 com a estréia de Kananga do Japão, que recolocou a emissora em segundo lugar de audiência.

Nilton Travesso, então diretor de dramaturgia da rede indicou Jayme Monjardim para a diretoria artística. " Kananga do Japão" iniciaria uma fase extremamente positiva para a dramaturgia da Manchete, que só terminaria em 1992.

Depois de "Kananga" veio "Pantanal", sem dúvida a melhor ou mais inovadora novela da Tv Brasileira. Nessa época, a Manchete liderou a audiência no horário da novela e ficou em segundo lugar no ranking geral.

O clima empolgante do sucesso de "Pantanal" estimulou a produção de "O Canto das Sereias", também sob a supervisão de Monjardim. A minissérie explodiu em todo o país, formando com "Pantanal" um dueto que levava a Manchete ao primeiro lugar absoluto das 21:30hs às 23:40hs. Levada ao ar diariamente logo após a saga pantaneira, a minissérie foi protagonizada por Ingra Liberato e filmada na parasidíaca Ilha de Fernando de Noronha. A minissérie fez larga frente à produção global "Boca do Lixo", estrelada por Silvia Pfeifer. Nessa época, estudava-se a proposta de se criar um novo horário de novelas, às 19:30hs.

Em 1991, veio ao ar a intinerante "A História de Ana Raio e Zé Trovão", com a qual a Manchete não atingiu o mesmo sucesso da anterior Pantanal, mas que mesmo assim, manteve a vice-liderança. Estrelada por Ingra Liberato e Almir Sater, a novela contava a história das grandes caravanas de rodeios, onde as principais estrelas eram Ana Raio, com seu cavalo Raio e Zé Trovão, com o seu Trovão. Surge uma história de amor entre os dois que será constantemente ameaçada por Dollores Estrada, personagem de Tamara Taxmann, chefe da Caravana que recebia o seu nome e da qual os dois peões eram integrantes.

Em 1992, Amazônia surgia como uma tentativa de se repetir o sucesso de Pantanal. Jayme Monjardim trabalhava com cuidado a produção da novela que traria a Manchete de volta à liderança em audiência. A produção estava atrasada e a Manchete levou ao ar da minissérie "O Fantasma da Ópera", enquanto Amazônia não entrava no ar.

Em meio a confusão, a Globo contratou Jayme Monjardim, que deixou a Manchete e Amazônia sem direção. A emissora então chamou a experiente Tizuka Yamazaki, que já tinha dirigido "Kananga do Japão" em 1988. A novela fracassou, a trama original terminou subitamente e deu espaço a uma nova história denominada "Amazônia Parte 2", que também não agradou. Poucos perceberam quando a novela chegou ao fim.

Em 1993 começou a produção de "O Marajá", escrita por Regina Braga e José Dummont, que tinha como enredo a vida do ex-presidente Fernando Collor de Mello. Antes mesmo da estréia, o ex-presidente conseguiu uma liminar que proibiu a exibição da novela. A novela foi cassada antes mesmo da estréia pela justiça e o jeito foi aproveitar o elenco e toda produção em "Guerra sem Fim", protagonizada por Ângela Leal, Alexandre Borges e Julia Lemmertz, que não repercurtiu, mas foi sucesso de crítica.

Em 1994, a Manchete resolve apostar em uma nova alternativa para juntar o baixo custo com boa audiência. A emissora lançou 74.5- Uma Onda no Ar, com Ângelo Antônio e Letícia Sabatella, produzida pela Tv Plus.

Em 1995 é criada a Bloch Som & Imagem, que teria como objetivos produzir programas e novelas para a Tv Manchete. A empresa foi criada como um artifício para, no caso dos bens da emissora serem novamente embargados ou entregues ao grupo IBF, a Bloch Som & Imagem ser considerada proprietária dos equipamentos e das novelas. Sob esse nome, a Manchete produziria quatro novelas.

Ainda em 1995, a novela Tocaia Grande entrava no ar, marcando a volta da Manchete à produção dramatúrgica. No mesmo ano, Walter Avancinni assume a direção de Dramaturgia.

Depois dessa época, a rede só voltaria a obter alto retorno, com a estréia de Xica da Silva, no dia 17 de setembro de 1996. A novela situada no século XVII contava a história da escrava que virara Rainha em meio à oposição de uma sociedade hipócrita e movida pela cobiça do diamante.

Com o término de Xica da Silva, é lançada a sertaneja Mandacaru, estrelada por boa parte do elenco da sua antecessora. Baseada na vida dos cangaceiros que desejavam a vingança da morte de Lampião, não repete o sucesso de Xica da Silva, ficando na média dos 8 pontos percentuais. A novela durou um ano.

Após o término de Mandacaru, numa nova tentativa de juntar baixo custo com audiência, é lançada Brida, baseada no Best-Seller de Paulo Coelho. O sucesso de público dos livros não se repetiu com a novela e a emissora, já assolada com uma enorme crise financeira, retira a novela do ar sem ao menos ter um último capítulo.

Assim como a Rede Globo, a Manchete exportou suas grandes novelas pra Europa, EUA e Ásia. Dona Beija, Kananga do Japão, Pantanal, A História de Ana Raio e Zé Trovão e Xica da Silva foram assistidas em vários países.

Marcos Vianna assinou a trilha sonora de muitas novelas e minisséries como "Pantanal", "O Canto das Sereias","A História de Ana Raio e Zé Trovão", "Filhos do Sol", "O Farol","Amazônia","Ilha das Bruxas" e "Xica da Silva".
 
espalhe:
leia também sobre Trajetoria da Manchete
comentários
publicidade
fotos de 'Trajetoria'
  • Vinheta Pós-chamadas - 1990
  • Fim de chamada (combinava o fundo da ultima tela com o M)
  • Vinheta Pós-Chamadas - 1992
  • Fernando Barbosa Lima assumiu a direção geral da TV Manchete a partir de 1995.
  • Logomarca interprogramas de 1992
fãs da manchete
Menu » Home | Vídeos | Artigos | Fotos | História
 
Serviços » Login | Cadastre-se | Incluir Vídeo | Escrever Artigo | Incluir Foto
 
Novelas Jornalismo Infantis Mais
Pantanal
Ana Raio & Zé Trovão
Kananga do Japão
Mandacaru
Dona Beija
Xica da Silva
Corpo Santo
Mais Novelas
 
Jornal da Manchete
Carnaval da Manchete
Documentários
Esportes
Clube da Criança
Séries Japonesas
Cometa Alegria
Mais Infantis
Humorísticos
Variedades
Entrevistas
O Site » Quem Somos | Fale Conosco
 
Este site não possui qualquer relação comercial com a extinta TV Manchete Ltda.
No ar desde set/1999. Idealizado, mantido e desenvolvido por Diogo Montano
title= title=