pra sempre no ar

Jornal da Manchete

A Trajetória do mais completo jornal da Televisão.

27/04/2005 por Diogo Montano
Jornal da Manchete 1990 - Leila Cordeiro e Eliakim Araujo

O Jornal da Manchete foi ao ar pela primeira vez no dia 06 de junho de 1983. Era uma segunda-feira e com cenário futurista (mostrando os equipamentos e monitores da redação), às 19h00 entrava no ar um telejornal completo com surpreendentes DUAS horas de duração. Seguia-se o padrão da recente CNN, que a emissora adotou desde a estréia.


O Jornal era dividido em vários segmentos, que depois acabaram virando programas distintos, denominados Manchete Panorama (cobria artes e espetáculos, apresentado por Iris Lettieri e Jacira Lucas), Manchete Esportiva (com Paulo Stein), Manchete Internacional, e finalmente o "Jornal da Manchete", que era apresentado por Ronaldo Rosas e Carlos Bianchinni. Como pode-se perceber, desde essa data o jornal passou a cultuar uma tradição que o diferenciava dos demais: passar a informação por completa ao telespectador. A alta credibilidade de seus profissionais sempre ofereceram ao público uma completa cobertura tanto nacional como internacionalmente. Durante os dezesseis anos de existência, o noticiário sempre se baseou nesse conceito.


Em agosto de 1989, Leila Cordeiro e Eliakim Araújo (até então apresentando o Jornal da Globo) foram contratados para ancorar o Jornal da Manchete, substituindo Ronaldo Rosas e Carlos Bianchinni. Essa época de ouro da Manchete, caracterizada com novelas de sucesso e infantis vice-líderes, também se caracterizou por um show de jornalismo. A Rede Manchete, que até então se destacava nesse departamento, abriu ainda maior distância em relação à concorrência. O jornalismo era ousado, inovador e independente. Os repórteres chegavam antes e davam seguidos furos de reportagens. A inovação fazia escola na TV. Nesssa época, a Manchete já suspendia a programação para exibir initerruptamente qualquer acontecimento importante no país. O Jornal da Manchete era ágil, tinha correspondentes espalhados pelo mundo, e trazia a data e imagens do dia integradas à abertura. Leila e Eliakim se consagraram como o Casal 20 do telejornalismo.

Em 1991, o cenário dos monitores foi desativado, sendo substituído por uma tela azul no Jornal da Manchete. Mas o cenário "azul chapado" não durou muito tempo. Jaquito ordenou que o cenário do JM voltasse a ter ao fundo os tradicionais monitores. Com essa mudança, a abertura e o logo do jornal também mudaram.


Com a saída de Leila Cordeiro e Eliakin Aráujo da emissora em dezembro de 1992, Márcia Peltier asumiu o Jornal, apoiada em São Paulo por Florestan Fernandes e em Brasília por Carlos Chagas. A redação voltou a ser usada como cenário, e o telejornal ganhou nova abertura. Em 1994, novamente a abertura foi trocada.

Em 1995 houve uma reformulação geral no cenário do Jornal da Manchete, que passou a ter um enorme Mapa Mundi ao fundo, também acompanhada de nova abertura. A equipe completa era formada por: Marcia Peltier (âncora, Rio), Carlos Chagas em Brasília, Florestan Fernandes em São Paulo, Villas Boas Correa comentando política e Denise Campos de Toledo como comentarista econômica.


Durante as Olimpíadas de 96, o Jornal da Manchete foi ancorado por Márcia Peltier diretamente de Atlanta.


No início de 1997, O JM foi reformulado, ganhando novamente cenários e abertura novos, e Márcia ganhou a companhia de Marcos Hummel na bancada. Embora a audiência tenha aumentado, Hummel voltou para o "Na Rota do Crime" e deixou a apresentação do jornal novamente com Marcia.


Em 1998, em nova evolução, o jornal voltou a reforçar o conceito de três edições. Com cenário novo (trazendo de volta a reformulada redação ao fundo), em março, estreavam o Jornal da Manchete Edição da Tarde, Jornal da Manchete, e o Jornal da Manchete Edição da Noite. Marcia Peltier continuava a frente da edição principal.


O "Manchete Primeira Mão", apresentado pelo experiente Berto Filho, estreou no meio de 1998, às 18h30. O propósito do Jornal era suprir a falta de jornalismo de qualidade que existina na TV nessa faixa de horário. TInha meia hora de duração e mostrava os principais fatos do dia.


Com a crise neste ano, porém, Márcia Peltier assinou contrato com a TV Bandeirantes e Augusto Xavier assumiu a bancada, revezando a apresentação com Claudia Bathel.


A título de curiosidade, cada telejornal recebia um nome-código na redação: ET (Edição da Tarde), JM1 (Jornal da Manchete), JM2 (segunda edição), ME1 (Manchete Esportiva Primeira Edição) e ME2 (Manchete Esportiva Segunda Edição), RM (Rio em Manchete) e SPM (São Paulo em Manchete).


 
espalhe:
comentários
publicidade
fotos de 'Jornal'
  • Logo do Manchete Primeira Mão - 1998
  • Fechamento do Jornal da Manchete (1998), com Augusto Xavier
  • Quando um fato importante acontecia entrava no ar esta vinheta...
  • Ronaldo Rosas se prepara para entrar no ar - 1983
  • Florestan Fernandes - Jornal da Manchete (1998)
  • Jornal da Manchete 1992 - Leila Cordeiro e Eliakim Araújo
fãs da manchete
Menu » Home | Vídeos | Artigos | Fotos | História
 
Serviços » Login | Cadastre-se | Incluir Vídeo | Escrever Artigo | Incluir Foto
 
Novelas Jornalismo Infantis Mais
Pantanal
Ana Raio & Zé Trovão
Kananga do Japão
Mandacaru
Dona Beija
Xica da Silva
Corpo Santo
Mais Novelas
 
Jornal da Manchete
Carnaval da Manchete
Documentários
Esportes
Clube da Criança
Séries Japonesas
Cometa Alegria
Mais Infantis
Humorísticos
Variedades
Entrevistas
O Site » Quem Somos | Fale Conosco
 
Este site não possui qualquer relação comercial com a extinta TV Manchete Ltda.
No ar desde set/1999. Idealizado, mantido e desenvolvido por Diogo Montano
title= title=